21 2529-6928
21 2103-1500

Adoçantes artificiais enganam o cérebro


Nova pesquisa pode ajudar a explicar o link relatado entre o uso de edulcorantes artificiais e diabetes, dizem cientistas.

Pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Yale dizem que, na natureza, a intensidade da doçura reflete a quantidade de energia presente. Mas na vida moderna, o metabolismo do corpo é enganado quando uma bebida é muito doce ou não doce o suficiente para a quantidade de calorias que contém.

Isso significa que uma bebida com gosto doce e baixo teor calórico pode desencadear uma maior resposta metabólica do que uma bebida com mais calorias, disseram.

"Uma caloria não é uma caloria", explicou a autora principal Dana Small, professora de psiquiatria.

"O pressuposto de que mais calorias desencadeiam uma maior resposta metabólica e cerebral é errado. As calorias são apenas metade da equação, a percepção do gosto doce é a outra metade", disse Small em um comunicado de imprensa da universidade.

Quando ocorre uma "falta de correspondência", os circuitos de recompensa do cérebro não registram que as calorias foram consumidas, disseram os pesquisadores. Muitos alimentos processados têm tais desajustes, como o iogurte com edulcorantes com baixas calorias.

"Nossos corpos evoluíram para usar eficientemente as fontes de energia disponíveis na natureza", disse Small. "Nosso ambiente alimentar moderno é caracterizado por fontes de energia que nossos corpos nunca viram antes".

Small e seus colegas disseram que o estudo pode ajudar a explicar o vínculo entre alguns adoçantes artificiais e diabetes descoberto em pesquisas anteriores. O assunto permanece controverso, no entanto, e os especialistas concordam que mais pesquisas precisam ser feitas.



Gostou ? Compartilhe !



VOLTAR